Parler promete voltar após ser removido da Amazon, Apple e Google

Tempo de leitura: 1 minuto

No último fim de semana, o mundo acompanhou um episódio inusitado, pra dizer o mínimo. O App Parler foi, não apenas removido por Apple e Google, como também banido do Amazon Web Services (AWS). Os episódios se deram logo após o Twitter suspender definitivamente a conta do presidente americano, Donald Trump.

Segundo as empresas, Trump teria instigado seus apoiadores, através do Twitter, no episódio que culminou na invasão do Capitólio dos EUA. Após o banimento do presidente americano do Twitter, houve uma debandada de apoiadores para o Parler, seu concorrente direto. A partir daí, o Parler começou a ser removido de plataformas de download (App Store e Google Play) e do host de hospedagem da Amazon, um dos maiores e mais robustos do mundo.

CEO do Parler promete voltar

A remoção por parte do host foi a que causou maior prejuízo ao mensageiro, que ficou inviabilizado de funcionar, mesmo usando técnicas para driblar a remoção das lojas de apps. Contudo, John Matze, CEO do Parler prometeu retorno das atividades da rede social, em publicação feita no próprio perfil da rede.

“Existe a possibilidade de o Parler ficar indisponível na internet por até uma semana enquanto reconstruímos do zero”, disse. “Nos preparamos para eventos como este nunca contando com a infraestrutura proprietária da Amazon e construindo produtos bare metal”.

As “punições” ao Parler não ficaram apenas na esfera digital. Segundo contou Matze em entrevista à Fox News no último domingo (9), além das lojas de Apps e hosts de hospedagem, “todos os fornecedores, de serviços de mensagem de texto a provedores de e-mail e nossos advogados, também nos dispensaram, no mesmo dia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *